sábado, 14 de maio de 2011

Sinestesia, o som do cheiro, o gosto do batuque

Isidia Ramos da Costa


Por mais que teus ladrões sigam versos das rimas da vida
Teu batuque singram os mares do meu coração.

É lindo ver como os teus pés, arqueados descrevem lindos rastros no chão.
Nitidamente percebo que teus medos no recanto morrem.
A melodia embriaga e a bebida inebria.
Por enquanto todo sofrimento é sarado...

Amanhece o dia, tudo volta ao normal
Trabalho na comunidade,  cantoria
Descomunal.

Tuas expressões são símbolos de Fé, angústia, precisão e história.
No pior sentido, teu passado não é negro.

Negro é Exatidão ! 

Eliakim Silva
 


2 comentários:

☆ Debby Nunes ☆ disse...

Tá tão poeta*---*

Adorei!

Mensagem Efêmera disse...

Sinestesia é minha figura de linguagem favorita.